IBGE

As projeções cartográficas

Diferentes projeções cartográficas foram desenvolvidas para permitir a representação da esfericidade terrestre em um plano (mapas e cartas), cada uma priorizando determinado aspecto da representação (dimensão, forma etc.).

É importante ressaltar que não existe uma projeção cartográfica livre de deformações, devido à impossibilidade de se representar uma superfície esférica em uma superfície plana sem que ocorram extensões e/ou contrações.

As projeções cartográficas são classificadas, principalmente, quanto à superfície de projeção e às propriedades.

Quanto à superfície de projeção

Podem ser projeções planas, cônicas ou cilíndricas, quando forem utilizadas as superfícies de um plano, cone ou cilindro como base para planificar a esfera terrestre. Os exemplos abaixo demonstram a transformação da superfície terrestre em uma superfície plana com auxílio das superfícies de projeção.

  • Projeção Plana.

    PROJEÇÃO PLANA OU AZIMUTAL

    À direita, a Projeção Plana Polar.

  • Projeção Cônica.

    PROJEÇÃO CÔNICA

    À direita, a Projeção Cônica de Albers

  • Projeção Cilíndrica.

    PROJEÇÃO CILÍNDRICA

    À direita, a Projeção Cilíndrica de Peters.

Fontes: 1. IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Cartografia. | 2. DANA, P. H. Map projection overview. Boulder: University of Colorado, Dept. of Geography, 2000.

Quanto às propriedades

Pode-se minimizar as deformações ocorridas pela planificação da superfície terrestre no que diz respeito às áreas, aos ângulos ou às distâncias, mas nunca aos três simultaneamente. Os exemplos abaixo mostram a possibilidade de alterar as projeções para o Brasil de acordo com as propriedades.

  • PROJEÇÃO EQUIVALENTE

    Não altera áreas, conservando assim, uma relação constante com a sua correspondência na superfície terrestre.

  • PROJEÇÃO CONFORME

    Não há deformação dos ângulos em torno de quaisquer pontos.

  • PROJEÇÃO EQUIDISTANTE

    Os comprimentos são representados em escala uniforme.

Fonte: IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Cartografia.

A seguir, são representadas as principais projeções cartográficas utilizadas na representação do espaço geográfico. As projeções de Mercator, Miller, Berhmann e Robinson são aplicadas à representação do mundo.

Para representar o Brasil, utilizamos as projeções cilíndrica equatorial de Mercator e policônica. O mapeamento oficial do País, em escala geográfica, é elaborado na projeção policônica, que tem como característica a diminuição da deformação da convergência dos meridianos, mantendo uma melhor representação da Região Sul do País. O mapeamento na escala de 1:1 000 000 é realizado na projeção cônica conforme de Lambert, seguindo o padrão do mapeamento mundial, definido pela Conferência Técnica das Nações Unidas sobre a Carta Internacional do Mundo ao Milionésimo, promovida pelas Nações Unidas, em 1962.

  • PROJEÇÃO DE MILLER

    É uma projeção equivalente cilíndrica (não possui nenhuma superfície de projeção, porém apresenta características semelhantes às da projeção cilíndrica).

  • PROJEÇÃO DE MERCATOR

    É uma projeção conforme cilíndrica.

  • PROJEÇÃO CILÍNDRICA EQUIDISTANTE MERIDIANA

    Os meridianos e paralelos são igualmente espaçados. Era muito empregada na navegação marítima, mas foi substituída pela projeção de Mercator.

  • PROJEÇÃO DE BERHMANN

    É uma projeção equivalente pseudocilíndrica (não possui nenhuma superfície de projeção, porém apresenta características semelhantes às da projeção cilíndrica).

  • PROJEÇÃO DE ROBINSON

    É uma projeção afilática (não é conforme ou equivalente ou equidistante) e pseudocilíndrica (não possui nenhuma superfície de projeção, porém apresenta características semelhantes às da projeção cilíndrica).

  • PROJEÇÃO DE ECKERT III

    Projeção pseudocilíndrica adequada para mapeamento temático do mundo.

  • PROJEÇÃO CILÍNDRICA EQUATORIAL DE MERCATOR

    É uma projeção conforme cilíndrica.

  • PROJEÇÃO POLICÔNICA

    É uma projeção afilática (não é conforme ou equivalente ou equidistante) e policônica (utiliza vários cones como superfície de projeção).

Fonte: IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Cartografia.